domingo, 20 de novembro de 2016

Palavras soltas em um dia qualquer

Gosto de tudo o que me faz sentir minha alma vibrando dentro de mim...
Gosto de emoções, mesmo que às vezes a angústia me invada e doa sentir.
Gosto dos sorrisos que provoco, quando sou palhaça.
Gosto das lágrimas que permito, quando sou psicóloga.
Gosto da sensação de imaginar cenas quando leio... Gosto de cada personagem com suas personalidades tão fiéis à realidade.
Gosto de pessoas da vida real, e admiro-as em suas lutas.
Gosto da sensibilidade exacerbada que, outrora, eu não entendia. E sou sensibilidade pura. Da cabeça aos pés. Do início ao fim. Pura.
Gosto de sentir o vento, a água, o sol.
Gosto de olhar o céu, as flores, o nada.
Gosto de pensar no impossível, de sonhar utopias...
Gosto de doce, gosto de salgado.
Gosto de simplicidade.
Dispenso holofotes, dispenso maquiagens. Não quero parecer ser o que não sou.
Gosto do que é verdadeiro, honesto...
Gosto de pessoas gentis, mas amo a empatia.
Amo quem consegue pensar no outro apesar das crueldades que o outro lhe infligiu. Amo e admiro.
Gosto de horas vagas (mas não vazias) em que posso fazer aquilo que eu quiser.
Gosto também das horas marcadas, aquelas em que ao mesmo tempo sei e não sei o que esperar.
Gosto de pontualidade, mas estou quase me permitindo atrasar (um dia eu chego lá).
Já me permito o erro, a imperfeição, mas ainda não alcancei atrasos.
Ser flexível. Ser compreensiva. Ser congruente. Ser ridícula. Esquecer meus medos.
Caminhos a percorrer, objetivos a conquistar. Ao mesmo tempo em que caminho, conquisto, e reconquisto, e continuo a caminhar. Sempre. Não quero o inacabado, nem o pronto. Quero o movimento, a mudança.
Sou uma mistura, uma metamorfose. Sou instável, flexível e amo tudo o que me acompanha, apesar dos pesares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário