sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Mudei...

Tenho costume de, de vez em quando, pensar em momentos passados e geralmente isso é algo que me enche de saudade...
Há alguns dias li alguns textos antigos do meu blog e meu coração foi invadido por uma saudade melancólica de quem eu fui há alguns anos, e que já não sou mais. E senti uma saudade estranha, traduzido por uma alma-irmã como uma saudade-da-ingenuidade-de-outrora... E talvez seja isso mesmo. Mudei muito. Irremediável. E percebi que, na maioria das vezes, não se pode recuperar o sentimento exato que se vivera outrora: a alegria sincera de um momento único... Sem o desejo insaciável de mostrar ao mundo felicidade e bem-estar; a angustia profunda de sentir um sentimento de não-sei-o-que-sou-nesse-mundo-tão-grande; a sensação de ser injustiçado pela distância, pela saudade...
Tudo isso... não se pode recuperar. Mas vive a minha memória, e eterna será!
Relembrar todos esses momentos, toda essa “transição” me faz perceber o quanto eu mudei... Mudei e não preciso que ninguém acredite nisso para que eu tenha mudado. Assim como aprendi a ser mais segura do que eu sinto e do que eu penso – e a agir de acordo com isso.
Hoje eu sou mais sincera e verdadeira, aprendi que fingir para agradar só me faz mal... E que a congruência e a coerência são vitais para o meu bem-estar. Descobri que preciso, mais que tudo, ser eu mesma. E tenho sido... E vou sendo... E transformando...
Escutei há alguns dias que “a gente não anda pra trás” e percebi que tenho evoluído como ser humano, e tenho definido uma porção de coisas que antes eu não conseguia enxergar com clareza suficiente... E tenho sido feliz.
Apesar das intempéries do dia-a-dia me sinto de bem comigo mesma e com aqueles que são, para mim, importantes. E não me sinto perdida como me senti anos atrás. E não me sinto sozinha.
Aquela menina que não-sabia-o-que-era-nesse-mundo-tão-grande ainda habita em mim. E sempre habitará...  Mas sinto, cada vez mais, que sei o que sou... E que o mundo é bem maior do que eu imaginava há alguns anos atrás.
 
Este texto faz parte do projeto literário 16 on 16, conheça os outros blogs participantes do projeto: Ariana Coimbra, Brunna, Camyli, Deyse, Gabi Freitas, Ghiovana, Lianne, Lys Fernanda, Máira, Mari Guimarães, Maria Fernanda, Mariana, Marlana, Nicole, Thaís.