sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Mudei...

Tenho costume de, de vez em quando, pensar em momentos passados e geralmente isso é algo que me enche de saudade...
Há alguns dias li alguns textos antigos do meu blog e meu coração foi invadido por uma saudade melancólica de quem eu fui há alguns anos, e que já não sou mais. E senti uma saudade estranha, traduzido por uma alma-irmã como uma saudade-da-ingenuidade-de-outrora... E talvez seja isso mesmo. Mudei muito. Irremediável. E percebi que, na maioria das vezes, não se pode recuperar o sentimento exato que se vivera outrora: a alegria sincera de um momento único... Sem o desejo insaciável de mostrar ao mundo felicidade e bem-estar; a angustia profunda de sentir um sentimento de não-sei-o-que-sou-nesse-mundo-tão-grande; a sensação de ser injustiçado pela distância, pela saudade...
Tudo isso... não se pode recuperar. Mas vive a minha memória, e eterna será!
Relembrar todos esses momentos, toda essa “transição” me faz perceber o quanto eu mudei... Mudei e não preciso que ninguém acredite nisso para que eu tenha mudado. Assim como aprendi a ser mais segura do que eu sinto e do que eu penso – e a agir de acordo com isso.
Hoje eu sou mais sincera e verdadeira, aprendi que fingir para agradar só me faz mal... E que a congruência e a coerência são vitais para o meu bem-estar. Descobri que preciso, mais que tudo, ser eu mesma. E tenho sido... E vou sendo... E transformando...
Escutei há alguns dias que “a gente não anda pra trás” e percebi que tenho evoluído como ser humano, e tenho definido uma porção de coisas que antes eu não conseguia enxergar com clareza suficiente... E tenho sido feliz.
Apesar das intempéries do dia-a-dia me sinto de bem comigo mesma e com aqueles que são, para mim, importantes. E não me sinto perdida como me senti anos atrás. E não me sinto sozinha.
Aquela menina que não-sabia-o-que-era-nesse-mundo-tão-grande ainda habita em mim. E sempre habitará...  Mas sinto, cada vez mais, que sei o que sou... E que o mundo é bem maior do que eu imaginava há alguns anos atrás.
 
Este texto faz parte do projeto literário 16 on 16, conheça os outros blogs participantes do projeto: Ariana Coimbra, Brunna, Camyli, Deyse, Gabi Freitas, Ghiovana, Lianne, Lys Fernanda, Máira, Mari Guimarães, Maria Fernanda, Mariana, Marlana, Nicole, Thaís.

5 comentários:

  1. "Aquela menina que não-sabia-o-que-era-nesse-mundo-tão-grande ainda habita em mim. E sempre habitará... Mas sinto, cada vez mais, que sei o que sou..." Muito bom, dani! Também já passei inúmeras vezes por essa saudade de sentimentos antigos. A ingenuidade faz falta. A primeira paixão. Coisas inesquecíveis, mas com certeza há experiências novas e muito maiores nos esperando. Avante, sempre! Beijos!

    http://comamorgc.com.br

    ResponderExcluir
  2. Não sei se sinto saudades da Ariana de uns anos atrás, tão ingênua! rs
    Talvez eu sinta saudade dos momentos que vivi, às vezes me pego pensando que se tais momentos repetissem seriam diferentes porque penso e ajo diferente e também sinto.
    Você mudou sim, muito, mas não perdeu a essência!

    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  3. Sentimos saudades apenas do que é bom. Se tens muitas saudades, Oxalá, muita coisa boa já te aconteceu. Espero que esses sentimentos-de-outrora apenas dignifiquem o seu presente, as lembranças são sempre bem vindas.
    Você mudou sim, todas as mudanças são necessárias. Sou grata a Deus, que mesmo com toda essa distância e as mudanças ainda estejamos, do nosso jeito, no presente uma da outra!


    Te amo!

    ResponderExcluir
  4. Estou adorando ver os textos desse projeto.
    Talvez algumas mudanças sejam necessárias para nos mostrar que precisamos evoluir na vida. Se a saudade é sentida é porque o ontem e o hoje se completam e valeram a pena.
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
  5. A gente nunca perde o que é de nós. eu vejo muito da menina que fui dentro de mim e, de fato, o mundo parecia menor e mais simples aos olhos dela. vezenquando faz bem voltar as origens só para esquecer que o mundo é mais amargo e não tão fácil de engolir.

    Lindo o texto!!

    Beijão

    ResponderExcluir