segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Somos, a cada dia, modificados pelas relações interpessoais no nosso cotidiano, e nem por isso deixamos de ser quem somos.
A mudança é um fenômeno inerente ao ser humano... E eu digo "fenômeno" porque a muitos assusta, tal como uma tempestade  que se aproxima e fazer uivar o vento lá fora...
É importante que sejamos corajosos para permitir-mo-nos a experiência de conhecer e deixar-nos conhecer por outrem, permitir-mo-nos afetar e afetar-nos... Sem a ilusória crença de que se não nos aproximarmos não sofreremos.
Como dizia algum poeta outrora, mais vale o sofrimento do que o não sentir.
Sentir é estar vivo. Seja dor, seja amor.