segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Opte

Sei lá, eu acho que com o tempo a gente para de dar importância pras coisas pequenas que nada nos acrescentam. Ou assim deveria ser. Eu vejo pessoas em corpos enormes e mentes tão medíocres. Pessoas que poderiam ser - se quisessem, se buscassem (por que quem quer busca, sabe?) - admiráveis, daquelas que a gente quer por perto e tem medo de perder - pelo que nos acrescenta.
Crescer é um processo extremamente doloroso, o mais doloroso, eu diria. Depende de quem cresce, e se cresce mesmo. As pessoas são únicas, cada uma delas tem uma visão de determinada situação, e por mais que encontremos semelhanças entre uns e outros, jamais seremos iguais. Isso qualquer um pode entender - e aceitar - se quiser. Mas tem que querer. O segredo é querer. Com sinceridade, com força no olhar. Queira. Não se deixe levar pelo que tanto faz, pelo que não faz diferença, porque a vida faz diferença, e cada minuto mais tarde pode fazer uma falta imensa. Então queira, e busque. Seja incansável, mesmo que cansado. Obstáculos são superáveis, não há barreira que não se possa ultrapassar. Opte pelo que faz seu coração vibrar. Opte pela vontade saciada, pelo desejo realizado. Não há tempo pra viver depois. Só existe o agora. Só existe o aqui.
Se alguém está com você, perto ou distante, está. E quando está, se sente. Não acredite em tudo que lhe dizem - as pessoas mentem, infelizmente -, mas não duvide de tudo, de todos. Como já disse um grande sábio, somos todos inocentes até que se prove o contrário. Há mistérios na mente humana que jamais poderemos compreender, mas devemos respeitar. Diz-se por aí, que não há desrespeito maior que questionar as peculiaridades alheias. Não somos responsáveis pelo que somos, em suma, mas podemos escolher ser melhores para nós e para o mundo. A escolha é individual, e não há nada a ser feito sobre isso. Apenas a aceitação. Não se julgue digno de dizer ao outro o que fazer. Cada um sabe de si. Permita-se esse prazer, assuma o perigo, aguente a angustia. Ninguém pode fazer nada por você, além de você mesmo. Se sofre, se sorri, se desiste. A escolha é sua, apenas. O existencialismo afirma: torne-se quem és, responsabilize-se pelas suas consequências, suas ações. Não culpe o outro, o outro tem a si mesmo, e não precisa de você.


"Sempre que houver alternativas, tenha cuidado. Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso. Opte pelo que faz o seu coração vibrar. Opte pelo que gostaria de fazer, apesar de todas as consequências." (Osho)