quarta-feira, 6 de julho de 2011

Hoje a noite não tem luar e eu estou sem ela.

Nesta noite não direi mentira alguma, tenho as estrelas como testemunhas de minha sanidade. Tenho necessitado dizer tantas coisas ao mundo, às pessoas e à mim mesma. E são tantas coisas que acabo calando-me, por não saber por onde começar. Sou a favor do silêncio quando não há palavra certa, mas preciso quebrar a quietude que há em meu interior, e hoje resolvi tentar, estou numa praça abandonada, sob um céu negro e estrelado, e uma luz que está prestes a se apagar, esse é meu grito silencioso, que ninguém ouve mas se olharem-me nos olhos seriam capazes de sentir. Sentir como eu sinto, essa loucura que tenho vivido e que nomeiam "vida", eu estou tão cansada disso, mas sei que não tenho opção, portanto, vivo. E vivo. E vivo. Porque não há saída, o dia me acorda e o vento sussurra: "viva, pelo amor de Deus", como n'um filme sobre uma pessoa de tão bom coração que cuidava da felicidade de todos, exceto da própria.
E essa pessoa foi capaz de provocar um sorriso sincero em cada rosto antes triste, mas deitava-se em sua cama, noite após noite, contendo as lágrimas que não eram bem vindas, mas que ela era obrigada a chamar de "companhia". Lágrimas são como punhais quando não há alguém para enxugá-las, e palavras não ditas doem tanto quanto não saber o que esperar. Eu espero. Algo. Alguém. Não sei, mas espero. Sinto a espera crescendo dentro de mim, sinto uma dor que não é minha, mas que se acumula sempre mais.
E eu estou desesperada, desamparada. É exatamente assim que me sinto. Saí numa noite quase fria, sentei-me sob um poste de luz fraco que aos poucos vai se apagando, e quando na escuridão eu ficar não haverá ninguém para me distinguir das trevas da noite, nesta noite sem luar.
O vento despenteia meus cabelos, eu já esperava por isso, e mesmo assim vim com eles soltos, essa é minha aceitação. Eu digo sim. Não há pergunta, então minha resposta é absoluta e inútil, eu digo sim e ninguém pode me ouvir. O vento não me diz nada essa noite, ou deixei de compreender suas palavras. Hoje perguntaram-me sobre a solidão que escolho, o vazio que sinto, e eu disse "bom, eu fui obrigada a aprender", mas agora questiono-me: aprender o que? Aprender a viver sozinha? A aceitar o abismo? A queda? Aprender a preencher o vazio? Mas nada disso eu sei. Só sei que me doem as incertezas, me dói tudo o que não há, logo eu que sempre aceitei sofrer por amor, agora não tenho em quem pensar.

Escrito na noite de primeiro de julho de 2011.
Depois de algum tempo, eu acho que deveria chamar esse texto de "Basta", mas seja como for... Disseram-me que eu estou muito exigente comigo mesma, e talvez seja mesmo verdade, não consigo gostar de nada do que escrevo, mas espero que de alguma forma vocês gostem. Eu estou de férias, tentarei postar com mais frequência. Fiquem bem. <3

19 comentários:

  1. Adorei seu texto...tão belas palavras, triste, no entanto, belas! Beijos, menina linda. Au revoir!

    ResponderExcluir
  2. A noite,
    ainda,
    é a melhor
    companheira
    para
    a solidão.

    ResponderExcluir
  3. Descrevestes exatamente o que estou sentido. Um texto lindo, palavras maravilhosas. Você sempre me encantando em cada texto. Parabéns, Dani!

    ResponderExcluir
  4. Daani, sempre traduzindo meus sentimentos em palavras! Fiquei feliz por ler esse texto, pois ele diz exatamente o que eu gostaria de dizer mas tenho me poupado por amor próprio. Lindo, como sempre :*

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo, e estar sozinho e não ter em quem pensar realmente me parece ser pior do que sofrer por amor. Você escreve muitíssimo bem, não pare ok? Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Isso foi um desabafo.. gostei amiga!
    cheio de sentimento ... sua verdadeira essencia.

    Bjoos

    ResponderExcluir
  7. Não cobre tanto de si, minha querida. Apenas entenda os seus limites. E se ''tudo'' ficar muito ''pesado'', coloque nas mãos de Deus. Ele é fera em tornar fardos pesados em leves. E quando a questão é escrita, é 2, 3, 4 vezes mais pesado. Entendo. Passei por isso. E consegui sair dessa de "cobrar muito de mim". Você é forte e especial.
    Este texto tem a sua cara.

    ResponderExcluir
  8. a solidão e o silêncio são tão importantes quanto o "barulho" do mundo.. o bonito está no meio termo. espero que esse sentimento passe com o tempo, seus textos estão maravilhosos como sempre!

    ResponderExcluir
  9. O texto, triste, e eu amei cada palavra.
    sentimentos revelados, e uma dor profunda!


    Abraços, fica com Deus!

    ResponderExcluir
  10. Que lindo isso. Fico fascinada com tudo o que você escreve.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  11. Meu irmão, nunca encontrei alguém que me fizesse sentir na pele tudo o que foi escrito, e que, sem a mínima ideia do que iria encontrar, li. Não quis nem analisar os outros comentários, voei pro meu espaço de escrever o que pensei. O que pensei não, o que senti. E como senti!
    Caramba, to impressionada, você realmente escreve MUITO bem, parabéns!
    Dá licensa que tenho que ler uns textos que eu estava perdendo de ler todo esse tempo, e acgora vou ver se recupero todo o tempo perdido! Beijos e queijos

    ResponderExcluir
  12. "E palavras não ditas doem tanto quanto não saber o que esperar. Eu espero. Algo. Alguém. Não sei, mas espero."

    Tu esperas, eu espero, todo mundo espera por algo que nunca vem ou se vem não percebemos porque estamos ocupadas demais com a nossa solidão, o nosso tédio. Por isso que digo pra sempre prestar atenção nos sinais, eles dizem muito. Fique mais atenta aos sinais da vida e aos sinais que o seu coração te dá!

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Um texto forte, com palavras fortes e sentimentos mais fortes ainda. Você sabe que você é uma pessoa que tem toda minha admiração, mas, hoje, te admiro sobretudo pela coragem de mostrar tua sensibilidade de maneira tão crua, tão real, quase palpável.

    ResponderExcluir
  14. Tudo que você escreve é lindo Dani, não se cobre tanto.
    Isso é solidão, isso é saudade, isso é o fim, o não, só você pode saber.
    Forte, como a maioria de seus textos, para não dizer todos.

    ResponderExcluir
  15. Lindo, Dani. Gosto muito do jeito singelo que tu descreve os sentimentos, mesmo quando são tristes. Também me sinto assim e, pelo que li nos comentários acima, não somos somente nós duas.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Perfeito Dani!
    Tenho necessitado dizer tantas coisas ao mundo, às pessoas e à mim mesma. E são tantas coisas que acabo calando-me, por não saber por onde começar.
    Me identifiquei completamente.

    ResponderExcluir
  17. Deves estar mesmo bastante exigente consigo msma, pois seus textos, suas palavras se combinam e se envolvem de uma maneira q fica fascinante. N entendo do pq n tenhas gostado de seus texto..

    Uma boa semana ;)

    ResponderExcluir
  18. Olhe, acho que o mais importante num texto é transmitir o que você está sentindo, e isso você conseguiu. Desculpe a demora para visitar aqui, eu estava viajando! Um beijo

    http://biacentrismo.blogspot.com - @biacentrismo

    ResponderExcluir