sábado, 22 de janeiro de 2011

Comigo mesma.

"Acho espantoso viver, acumular memórias, afetos." Caio Fernando Abreu.


Sento-me à porta, o calor do dia toca minha pele. Nada como o verão, mas sinto falta de outras estações, talvez não tão vivas e brilhantes quanto essa, mas encantadoras de formas distintas. Sou uma contradição, gosto de opostos. Branco. Preto. Verão. Inverno. Noite. Dia. Tanto faz, eu adoro. Adoro a vida - mesmo quando dolorosa - e não temo a morte. Não a minha.
Às vezes fico repleta de sonhos e sensações. Às vezes não sinto nada, e isso também machuca, talvez não como a dor do não-amor ou da perda, mas como uma dor que implora por motivos, razões. Mas nada acontece, e essa dor desnecessária é que me preenche nas horas vagas, e nela até sorrio... Não sou triste como pareço, embora não saiba quem e o que sou, sei o que não sou. E não sou triste. Apenas tenho um curioso afeto pelo que machuca, ah, as pessoas detestam tanto o que fere, que sinto piedade, e poderia pô-los em meu colo para protegê-los de tantas palavras más a seu respeito. Palavras machucam, trazem lágrimas até aos olhos mais alegres e brilhantes.
Tenho os olhos de quem sonha, de quem quer. E acho que essa seja uma boa definição para mim, tão simples e clara. Alguém que sonha. Alguém que quer.
Mas isso não descreve exatamente minha essência, pois sou também alguém que sente. E sendo assim, choro, rio, sor-rio, também me calo, observo e falo sem parar. Me desespero, sinto medo, tédio. Fujo para dentro de mim, caio em meus abismos, pulo de precipícios. É isso que sou. Isso e um pouco mais, porém não sei, às vezes todas minhas certezas tornam-se pó e não é nada fácil reconstruí-las.
Gosto de imobilidade, tenho medo de escuro, sou perfeccionista, detalhista e dezenas de outros adjetivos que podem ser bons e ruins - ao mesmo tempo.
Agora, o vento balança as folhas dessa árvores que é uma memória viva de minha infância. Eu adoro o vento, adoro a sensação de leveza que ele me traz - ou do peso que às vezes carrego. Adoro o vai e vem da rede e odeio o vai e vem do amor. Amo e não amo, amo e não amo, e isso também machuca.
Tenho essa mania de ir e vir, mas também sou definitiva: ou permaneço ou digo adeus. Dói dizer adeus, principalmente quando existe esperança. Dói viver, dói morrer - por dentro. Dói chorar escondido, no escuro, em um canto. O que vale a pena dói, o que não vale também. Vez ou outra sou tão dolorosa, tão dolorida, que chego a sorrir, e acolho a dor, porque ninguém mais a quer. E rejeição dói muito mais.

48 comentários:

  1. Minhas palavras sobre este já lhe foram ditas por fora. Deixo aqui minha humilde admiração.

    ResponderExcluir
  2. E você me pareceu tão Clarice Lispector hoje.
    Eu só sei que eu sinto e sonho. Não tenho certeza do que eu não sou, porque às vezes esqueço de mim; quando me lembro, me alegro, depois me entristeço porque não gosto de esquecer de nada, principalmente de mim. E o amor é algo que me impulsiona a viver e a acreditar sempre, acreditar na vida.
    Lindo texto.
    Beijo, Dani.

    ResponderExcluir
  3. lindo! adorei

    obrigada minha querida *.*

    ResponderExcluir
  4. Texto incrível!


    Eu sempre te leio, caso não saiba. Fico caladinho mas agora quis me expressar. Aprendo muito por aqui, moça.

    ResponderExcluir
  5. Sempre que passo por aqui me surpreendo mais,estás escrevendo cada dia melhor!
    Tem selo para você lá no meu blog,espero que goste.
    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  6. Querida, suas palavras foram lindas, carregadas e como sempre transbordantes. Seus sentimentos de vem e vai, suas inseguranças, oscilações e temperamento foram tão aparentes que, como normalmente acontece, você nos deu a chance de sentir também. Admiro muito o modo como escreves, mas disto já sabes. O que queria dizer hoje é que me reconheci, especialmente na parte de acolher a dor, mas não ser tão triste quanto pareço. Acontece, não é? Mesmo quando os outros não conseguem perceber, acontece.

    HOJE É SEU ANIVERSÁRIO? (Li na postagem anterior) Meus parabéns, mil vezes parabéns! Que a vida lhe traga sorte, sucesso e inspiração para que você continue nos ilumninando com suas palavras, e que continue sendo a pessoa iluminada que imagino que seja. Sinta-se abraçada. E esta semana envio minha primeira carta.

    ResponderExcluir
  7. Passa por estes blog's e deixa a tua opinião.

    Visitem e seguiam e comentem e
    metam 'gosto' se for o caso (neste blog) :
    http://clicks-de-amor.blogspot.com/
    http://silenciodosegredo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. É verão e o vento sopra por todos os lados. Há ventos doloridos, outros que trazem sorrisos e alguns outros que trazem a saudade de algum tempo qualquer, talvez do outono. Sou assim: apaixonada por estações, mas encatada pelo outono. Por mais que o verão os dias sejam grandes, os pores-do-sol sejam mais coloridos, eu ainda prefiro os dias corridos do outono e entadecer alanjado dessa estação nostálgica.

    Sou nessa inconstância de estações como o verão, que é todos ao mesmo tempo. Sou aquela tempestade de acaba com tudo, tempestades de palavras que machuca e se arrepende. E sou aquele entardecer sensível que escorre gotas de chuva no meio do sol...

    Tenho essa mania de viver e de brincar com palavras que enfeitam, afetam e brincam de memórias... Assim, como todas as estações.

    Acho que me perdir em palavras. Foi a beleza dos seu texto, das suas palavras de veraneio que tão perfeitamente me descreveu!!!

    Lindo demais, moça!!!

    Beijos^^

    ResponderExcluir
  9. "Tenho essa mania de ir e vir, mas também sou definitiva: ou permaneço ou digo adeus. "

    Adorei amiga! O texto está lindo, maravilhoso e nossa, muito peeerfeito! Eu amei mesmo, sabe que eu gosto do que voce escreve né? Mas esse texto, uau, foi incrivel!

    Beijos, Anjo de Papel!
    (com asas)

    ResponderExcluir
  10. Por mais que seja absurdo, a vida é feita desses pedacinhos de "tudo um pouco"

    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. E você definiu bem a inconstância de ser humano. De sentir. De viver. De amar.

    Meu beijo!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Dani!
    Que belo texto! Adorei!!! :)
    Beeijos :*

    ResponderExcluir
  13. Parabéns atrasado! Que você tenha muitas alegrias e que seus sonhos se realizem.

    Lindo texto!

    Obrigada pelo selinho,
    já estou carregando.

    Você sabe que te adoro né?
    Mil beijos e o desejo de uma semana
    muito feliz.

    ResponderExcluir
  14. Que bonito, Daniela!!

    Me identifiquei a beça.. muito legal!! =D


    bjoo

    ResponderExcluir
  15. é, pode ser ...
    gostei do texto ; verbo doer conjugado váarias vezes .. hehe

    até mais, fique com Deus ;*

    ResponderExcluir
  16. Minha amiga,

    Vida é incosntância, e talvez seja esse seu charme e, ao mesmo, sua lição. O que o texto retrata muito bem.

    Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  17. Dani te conheço desde daquela história da dewboy ? rs não lembro o nome, só sabia que era um nome bem diferente, esse texto se não diria o melhor que vc já fez, bom que eu achei, claro, mostra pra mim o quanto vc escreve melhorando a cada dia mais.
    dani adooorei.
    mt bom mesmo, sinceramente.
    bj

    ResponderExcluir
  18. Esse foi, com certeza, o teu texto com o qual mais me identifiquei.

    "Apenas tenho um curioso afeto pelo que machuca"

    Acho que todos nós, ou quase todos, tem uma certa tendência a gostar do que dói, um masoquismo oculto.

    "Tenho essa mania de ir e vir, mas também sou definitiva: ou permaneço ou digo adeus"

    Sou assim também. Não gosto da insatisfação de estar entre um meio indefinido, ou termina ou recomeça.

    Lindo teu texto.

    =*

    ResponderExcluir
  19. Seus textos são sempre tão profundos, tão teus. Mas ao contrário de você devo dizer que temo sim a morte, tanto a minha quanto - principalmente- das pessoas que amo. É incondicional. Adorei o post, beijo :*

    ResponderExcluir
  20. me vi em todas as tuas palavras.
    maravilhosamente encantadoras! <3'

    ResponderExcluir
  21. Somos feitos de tudo um pouco, por isso na maioria das vezes somos essa confusão boa de se ver.

    Amei o texto, como sempre. Seu blog é demais :D
    Beijinhos Dani <3

    ResponderExcluir
  22. Estou visitando seu blog para convidá-lo a participar de um evento que está sendo promovido no meu blog.

    Minha proposta é ajudar na divulgação de blogs, possibilitando que os blogueiros sejam mais reconhecidos na blogosfera assim como conheçam outros blogs interessantes.
    Nesse primeiro evento, você blogueiro ajuda a divulgar seus blogs favoritos, num próximo evento já previsto, você divulga o seu blog no nosso espaço. Diversos eventos serão realizados com periodicidade constante.
    É a sua chance de divulgar seu blog, ganhar mais seguidores e reconhecimento.É também uma grande oportunidade para conhecer outros blogs.

    Participe desse primeiro evento. Siga o blog DIVULGAÇÃO.Transforme-se em um divulgador de blogs. Promova seu blog e seus eventos. Contribua com esta idéia e ajude a transformar esse blog em uma revista especializada em garimpar, divulgar e compartilhar talentos na blogosfera.

    Desde já agradeço

    Ana (Blog Divulgação: www.revistadosblogs.blogspot.com )

    ResponderExcluir
  23. 'Tenho essa mania de ir e vir, mas também sou definitiva: ou permaneço ou digo adeus.'
    Não há motivos para ser um meio termo. Está certíssima.

    =)

    ResponderExcluir
  24. Como sempre me encantando. Essa sensação de " às vezes não sinto nada" tenho sempre e nunca sei lidar com isso.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  25. Mas eu não preciso repetir o quanto gosto do modo como tu colocas as emoções textos que escreve, não é? Tu brincas com as palavras e fala de sentimentos de uma maneira tão bela, que às vezes acho-me até repetitiva em falar isso, mas é a verdade.
    Nunca sabemos ao certo quem somos, porque mudamos constantemente, sem que percebamos às vezes. Como você mesma disse, podemos até pular de precipícios dentro de nós mesmo. Mas acho que o segredo de tudo, para sempre estar em bem com a nossa essência e sempre sonhar, querer e sentir. Porque não sentir nada é mais horrível do que aparenta ser.

    Um beijo, @pequenatiss.

    ResponderExcluir
  26. eu não sei porque. mas gostei de ler isso aqui, foi tipo um conforto. não, um conforto não. eu não sei.

    ResponderExcluir
  27. Descreveu o sentir quase que indescritível de ser,do ser-humano,é bom ler algo assim de vez em quando,me põe são.
    Quanto a dor,é bom saber que te preocupas com ela,no carnaval deixarei a minha contigo e pego de volta na quarta-feira.
    abraço enfim.

    ResponderExcluir
  28. por mais que se tenha certeza, por vezes dizer adeus pe um caminho também livre para novas coisas

    ResponderExcluir
  29. Tudo que for escrito de coraçáo comove, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  30. oi flor
    tem selinho para ti no blog:
    http://amorimortall.blogspot.com/2011/01/selinho-amor-imortall.html
    me segue por lá também
    beijos

    ResponderExcluir
  31. Perfeito! ^^
    Ficou parecendo ateh clarice Lispector...rs

    ResponderExcluir
  32. Parece uma autobiografia sua.Você citou tudo o que sente, tudo o que pode sentir, deve e já sentiu.Eu aaaaaamei, mostra bem a pessoa linda que és *O*


    Beeijão :)

    ResponderExcluir
  33. Amei! Me identifiquei. Acho que a vida é isso mesmo, uma junção de dores que se torna bela... Aliás, queria pedir sua permissão para usar o último parágrafo (com devidos créditos, é claro). Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Eu não mudei de blog,apenas de nome : http://thesoulofheart.blogspot.com/
    :)

    ResponderExcluir
  35. "Dói viver, dói morrer" com a pequena citação do Caio o texto ficou completo, não tenho o que dizer, só que eu amei.




    Quer um layout novo? Encomende o seu aqui:http://mylittledecoy1.blogspot.com/p/design-por-mim.html

    ResponderExcluir
  36. Olá, Clarice Lispector! -IGNORE.

    Gostei do teu texto, de verdade. Não sei se foi porque me identifiquei (todos somos contraditórios e puramente únicos, no fim do dia) ou porque o achei lindo, poético, e afins. Foi o meu texto favorito de todos os teus, de longe. Ok, talvez não tão de longe, todos são maravilhosos. Mas esse foi... Perfeito.

    Lindo, Dani! Parabéns *-*

    ResponderExcluir
  37. "E sendo assim, choro, rio, sor-rio, também me calo, observo e falo sem parar. Me desespero, sinto medo, tédio. "


    Ate parece que tu escreveu esse texto pra mim, me vi tanto nele.
    Ficou super bem escrito com um ar de poema lindo.
    E acho que as dores só vem para nos mostrar o quanto devemos dar valor aos momentos alegres!



    Beijos

    ResponderExcluir
  38. Belo post!

    Belo blog!

    Gostei muito daqui! Parabéns, voltarei mais vezes...

    Convidaria vc a conhecer meu trabalho (poesia, música, teatro)

    Ficaria feliz demais!
    http://mailsonfurtado.com

    ResponderExcluir
  39. Você ganhou um selo do Sentimento Padrão!

    Acesse o link: http://sentimento-padrao.blogspot.com/p/selos.html

    ResponderExcluir
  40. Incrível! Acho que todo escritor tem esse lance de opostos - e que acabam se completando. Me identifico, sabe... as vezes eu me acho um TUDO no mundo, tudo de vontades, de sentimentos, e até de tristezas... e também tenho dias vazios. Posso dizer que esse texto seu abrange o tudo de você, e você é linda em tudo o que escreve.
    Adoro teu espaço.

    ResponderExcluir
  41. adoreii como sempre (: (fã sabe como é né? kk)
    e só vou postar quando meu note funcionar ;/

    bjoos

    ResponderExcluir
  42. Hey ^^

    Discordo quando dizem que viver é fácil, não, não é!
    Principalmente se tens todos os sentimentos dentro de si, como lidar com todos eles durante uma vida inteira, sem que se machuque?! digo, impossível.

    Lindo texto... Xoxo

    :: Loma

    ResponderExcluir
  43. E é cada vez mais difícil encontrar pessoas assim - cheias de sonho, de contradições, de anseios, dúvidas. Esse mundo anda cheio de pessoas vazias; e acredite: são valiosíssimas estas cheias de algo.
    Beijos querida=**

    ResponderExcluir