segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Dias de angustia.

Relato um.
Permita-me amar-lhe, mesmo que apenas no silêncio involuntário da não-reciprocidade. Não assombre-me com perguntas contidas enquanto eu busco incansavelmente respostas que me levem até você. Porque por uma razão ou outra eu sei até onde o destino nos levará.
As horas tem passado mais lentas enquanto espero por lhe encontrar, os dias tem sido como anos. A expectativa abalou meu coração quando ouvi uma voz dizendo que você viria, por uma mera desculpa que eu acabara de cair. E você veio e poderia escutar meu coração pulsando tão rápido se soubesse, mas você não sabe, e partiu depois de uma despedida breve e tímida. E no meio do caminho, olhou pra trás, e aquele olhar tirou o meu chão e o meu ar, porque tudo o que se espera de uma pós-despedida é aquele olhar de quem parte e queria ficar, tudo o que eu pude fazer foi chorar. Chorar no frio da noite, em silêncio.

Relato dois.
Sob a Lua solitária de uma noite morna e vento frio, envoltos pelo grama e por risadas e vozes distintas, você e eu. Você ali, tão perto de mim, eu pude até sentir o calor vindo do seu corpo a alguns centímetros do meu. E devo dizer que gastei todas as minhas forças em esforços para não te tocar, e de tantas forças gastas, meu corpo parecia ferro ao caminhar ao lado do seu, que era quase como um ímã.

E um conto quase real.
Cai a noite, olhos perdidos entre ruas e avenidas procurando um rastro da sua imagem que insiste em não aparecer, meu coração inquieto não me deixa esquecer que a qualquer momento vou te encontrar, mas os minutos passam como horas, o céu acinzentado pisca com um trovão distante que faz o chão tremer levemente. O vento frio é um aviso de que logo a chuva me atingirá, olhos para os lados, nenhum sinal de sua presença. Minha pele se arrepia subitamente e sua voz rouca sussurra, quase inaudível, muito perto do meu pescoço: "Demorei?", me viro e ali estás, o meio sorriso que eu tanto gosto acompanhado de suas mãos prontas para me proteger da escuridão.
"Pensei que não suportaria esperar nenhum minuto à mais", digo-lhe.
Você sorri e me abraça. Começa a chover, tudo bem, nossos dedos se entrelaçam naturalmente e nossos passos ecoam pela rua vazia, em direção a qualquer abrigo que possa nos salvar da tempestade que acaba de começar.

22 comentários:

  1. "Pensei que não suportaria esperar nenhum minuto à mais"

    A gente sempre pensa isso, né?

    ResponderExcluir
  2. Encontre a felicidade como seu abrigo. Se é que ainda não encontrou, pois, a gente sempre encontra, permita-se chorar e doer antes disso. As coisas ruins acontecem, pra que possam chegar as boas.
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  3. ficou muito lindo.
    Queria parar de escrever sobre o amor. Mas parece que as palavras ficam vagas sem ele.

    beijão.

    ResponderExcluir
  4. O relato dois me lembrou de um dia, que passei ao lado do meu namorado, mas ainda não éramos namorados. Fiz de tudo para não tocá-lo. Foi difícil, meu coração tremia, mas esperei, porque eu sabia que em breve, poderia tocá-lo quando eu bem quisesse. rs

    ResponderExcluir
  5. Acho incrível como as palavra dão uma ênfase aos nossos momentos. Aos que vivemos! É como se não houvesse melhor maneira de contar senão escrevendo. Dá um ar de romance e dor que são insubstituiveis. Pelo menos nos nossos textos, rs. Eu gostei, gostei muito.

    ResponderExcluir
  6. Relatos que vão se formando por aqui e por ai. Alguns "quase" encontros, abrigos em dias tempestivos, alguns medos e leves sorrisos nos lábios...

    Quando eu te leio sempre me vejo em suas linhas!!!

    Beijos linda!!^^

    ResponderExcluir
  7. UAU, adorei ler aqui. Voltarei sempre com certeza.

    "Pensei que não suportaria esperar nenhum minuto à mais"

    ResponderExcluir
  8. Adoreeei!
    Me lembrou de tanta coisa...
    Principalmente o relato 1!
    Adoro o jeito que vc escreve.. parabéns garota! ;*

    ResponderExcluir
  9. ''tenho andado distraído...''

    tente andar assim, pois só dessa forma tudo corre de forma serena. Vai por mim. Não se preocupe muito em acertar, ser perfeito, basta não errar e depois ficar buscando explicações entre nuvens carregadas.

    ResponderExcluir
  10. você é sempre perfeita nas coisas que escreve, mas te digo, que hoje, eu gostei do relato um. gostei mesmo. até sorri assim na primeira frase.
    algumas angústias são boas (:

    ResponderExcluir
  11. Que lindo! Vale a pena esperar por um amor, sempre, ainda mais quando ele é verdadeiro, sincero e real para os dois lados. E é melhor ainda quando isso acontece.

    ResponderExcluir
  12. Quer concorrer a um livro?
    Da uma passadinha em meu blog e participa.

    beijão flor.

    ResponderExcluir
  13. que bonito!

    obrigada querida *.* é a cidade do funhcal *.*

    ResponderExcluir
  14. Isso é o amor. O relato do mais puro amor. Gosto bastante.

    Beijo, Filipini.

    ResponderExcluir
  15. Lindo demais.
    Um natal cheio de amor e que 2011
    possamos continuar juntinhas.

    beijos meus

    ResponderExcluir
  16. se tem uma coisa que o seu texto me faz ver, é que o amor vai alem de momentos de puro entendimento. ele pode percorrer um caminho de frustrações e despedidas ate chegar no seu caminho final..

    ResponderExcluir
  17. obrigada *--*
    formatura de oitava, por enquanto .
    vou postar sim .
    hehehe
    até ;*

    ResponderExcluir
  18. Ai Deus, deixa eu ir ai te dar um abraço,
    quero que essa angustia sua vá embora!

    ResponderExcluir