segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Antes de morrer.

Absorvi a vida ao meu redor, deixando apenas as folhas de outono que voaram e caíram suavemente em solo desconhecido. Eu esperava a chuva, para que, assim, pudesse adotar toda a sua alegria e me tornar, então, ventania. Tornar-me-ei tempestade. Isso fará de mim algo mais vivo que o ar que nos alimenta, pois seria a água que nos compõe, o que somos. Faria de mim eterna, mesmo que a eternidade não seja tão atraente assim, mas sim tortura. Incessante tortura, sem piedade.
O futuro que eu vejo é tão descontente, silencioso, vazio. Somente eu e minhas mágoas olhando pela janela, o meu reflexo no vidro é tão cansado que chego a sentir pena de mim. Olheiras fundas marcam os olhos tristes e imóveis. Sou quase um fantasma do que não existiu, uma lembrança sobrenatural do que não aconteceu, não acontecerá.
Já que escolho o meu caminho, vou viajar sem destino, buscando sempre uma maneira menos triste de viver. Porque sou assim, calada, e não quero outra maneira de ser. Não seria eu se fugisse como uma criança assustada, mas ainda posso me esconder sob o cobertor frio, no escuro, onde nada além da minha imaginação pode me encontrar.
Eu esperei pela segurança que não chegou, esperei tão convicta de sua existência que, ao ver-me sozinha, vi meu coração quebrar-se em mil pedacinhos, vi minha alma afundar ainda mais em sua escuridão. Peço que alguma estrela comece a brilhar a partir de uma explosão. Guiar-me-iria por qualquer mundo, eu lhe daria um nome bonito e muito vivo, algo como o nome da criança que eu nunca terei.
Algo como a casa em que eu nunca viverei. Idealizei mil sonhos, desenhei mil planos. E agora estou aqui, sem minha chance de viver. Sem coragem pra vencer ou correr, mesmo que correr seja fuga. E mesmo que assim eu volte a ser uma criança assustada. Talvez eu jamais tenha deixado de ser. Mas dizem que a vida vai além do que se vê, e é realmente o que eu espero.

Oi, pessoas. Tudo bem com vocês, meus queridos? Me desculpem pelo tempinho sem atualizar, eu estava completamente sem inspiração. Mas agora postei, não foi algo tão bom, tão maravilhoso, tão digno, mas eu acho que é melhor que nada, rs. Bom, respondendo à algumas perguntas... Eu não abandonei o blog e nem vou abandonar, ao menos, não por vontade própria. Prometo tentar postar com mais frequência. Fiquem todos muito bem. Beijos! :**

23 comentários:

  1. Ah, sem inspiração já é tão bom. Imagina se tivesse, rs! Não abandone nunca este cantinho aqui amiga, por que eu sei o quanto ele representa pra voce. É só saber se resolver com o senhor tempo e tudo se encaixa perfeitamente. (:

    Amo voce, agora e sempre!

    ResponderExcluir
  2. Algo como a casa em que eu nunca viverei" bom saber que a senhora não abandonará seu blog , bom.. eu sei que não abandonou afinal vc esta lá presente nas minhas postagens , parabéns seu texto é lindo mil beijos

    ResponderExcluir
  3. Seus textos sempre tão maravilhosos.
    Sempre saio daqui a devagar...

    ResponderExcluir
  4. ha momentos na vida em que ficamos tristes (passo por isso agora, ando descontente), mas a vida é essa, momentos, as vezes tudo dará errado ecoração adoecera, basta tentar reanima-lo, cura-lo... não se deixar vencer e ir para o outro lado.

    Pensei tbm que havia abandonado, vc que sempre escreve textos que me indentifico bastante, espero que postcom masi frequencia.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. "Eu esperava a chuva, para que, assim, pudesse adotar toda a sua alegria e me tornar, então, ventania. Tornar-me-ei tempestade"

    Lindo isso!
    E acho que esse tempestade presente e persistente dentro de nós não vai embora nunca e quando vai, volta.

    =*

    ResponderExcluir
  6. Lindo.
    Saudade de você também.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Sempre muito inspirador e cativante, seus textos.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  8. As vezes a solidão nos pega de um jeito que parece que cansa, de verdade. Não queremos mais viver, não queremos mais ter sentimentos, é como se tudo fosse errado - e acontecesse de propósito conosco.

    ResponderExcluir
  9. Essas oscilações acontece com todo mundo. Conflitos internos, de mente, de coração...
    Essa infinita GUERRA E PAZ!
    É sempre bom te ler!

    Beiijo Flor!!!!

    ResponderExcluir
  10. Enquanto eu lia foi como se as palavras ganhassem vida e pegassem em mim as tornando reais , senti tudo que o texto tinha pra proporcinar , toda tristeza e melancolia parecem ainda impregnadas em mim !
    Belas palavras , lindo blog , adorei tudo aqui :)
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  11. Desculpa *-*

    Eu fiz outro blog porque aquele outro tava dando muito problema !

    http://lemdamaris.blogspot.com

    espero que vs de uma passsada lá!
    fooi mals pelo spam !

    beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Não somos só do coração, nós somos prisioneiros desta vida, onde as vontades das pessoas não são respeitadas e muito menos ouvidas.

    ResponderExcluir
  13. Dói quando a vida nos rouba assim os sonhos doces, as ilusões...

    ResponderExcluir
  14. "Moça, olha só o que eu te escrevi
    É preciso força pra sonhar e perceber
    Que a estrada vai além do que se vê"
    Força que as estrelas explodem a qualquer hora e o brilho permeia por entre as lágrimas que você cisma negar...

    ResponderExcluir
  15. "Já que escolho o meu caminho, vou viajar sem destino, buscando sempre uma maneira menos triste de viver. Porque sou assim, calada, e não quero outra maneira de ser."

    Escreveu esse post foi pra mim flor?
    Deve ter sido né! rs
    E o melhor a se fazer é seguir seu caminho mesmo, tentando ser feliz a cada dia que passa, e nunca se deve desistir de um sonho!
    E ainda bem que a estrada vai alem do que se vê, ao contrário seria tão desinteressante!


    Beijos

    ResponderExcluir
  16. ah! Daniela, que texto lindo, um dia eu poderia posta-lo com sua licença, de tão verdadeiro, tem tanto de mim nas tuas palavras menina, amei...

    beijo grande, e continue sem inspiração se for desse jeito rs!

    ResponderExcluir
  17. Volto a dizer: que escrita incomparável.
    Amei, amei demais o texto! Lindíssimo!
    Beijos, Dani!

    ResponderExcluir