terça-feira, 25 de maio de 2010

Veronika. Parte III

 Havia morrido, certamente, e acreditou na loucura que a assombrava. Nada jamais a assombrou, medo nunca sentiu. Tinha em si toda a coragem do mundo, e isso não havia sido suficiente, queixou-se por dois rápidos dias aquela ausência de cor, mesmo que preenchida pela cor mais bonita, temeu que a noite jamais chegaria, queria estrelas, lua. Queria a sensacional verdade que ocultara por tantos anos. O seu viver.
 Depois de algum tempo, descobriu-se pequena, encolhida no canto vazio do quarto. Encolhida por fora e por dentro, abraçava-se, sozinha. Quis um abraço, não o seu abraço, mas um abraço quente, protetor.    Nunca havia sentido-se assim, e temeu. Como temeu...
 Jamais quis depender de alguém, jamais quis esperar por alguém.
 E logo percebeu-se apaixonada. Mas como?
 Jamais havia encarado olhos nenhuns, jamais havia aceitado o fato de que alguém a queria como a terra seca quer a chuva. E por um momento então quis isso, a chuva. Forte e fraca, desproporcional. Como poderia amar alguém, agora que o mundo lhe fora tirado?
 Como poderia agora, amar alguém, quando a vida lhe fora esgotada? Extraida de sua alma. Ou a alma extraida da vida, não soube. Não sei. Por um segundo quis ser Veronika e agora não sinto medo de nada além disso. Nem do escuro que sempre me assombrou. Nem do abismo em qual tantas vezes caí.
 Não tive medo, assim como Veronika, da solidão que me sufocou, ao contrário, ela me apertava e eu a abraçava. Velhas amigas nos tornamos. Mas Veronika decidiu morrer, soltou minha mão e se foi. Eu fiquei, fiquei porque sempre fico, na vida ou aqui. Na vida ou no quarto. Mas esse quarto no qual me encontro tem tantas, tantas cores...
 Veronika sentiria inveja de mim se soubesse, mas eu não escreverei carta alguma para lhe contar, ela não leria. Nunca lê, só escreve. E ninguém lê o que ela escreve. Escreve e rasga, joga fora, às vezes chega até mesmo a queimar. E então olha a chama do fogo, chama o vento para lhe multiplicar, e o vento vem. Sempre obedecendo-a.
 Seria Veronika a deusa do vento?

13 comentários:

  1. Parabéns,cada vez seus textos ficam mais complexos e profundos,não preciso nem dizer que essa série Veronika foi a mais legal,e olha que você escreve muuuuita coisa bacana MESMO!
    Seu blog está mais profissional do que nunca,não só pelos temas mas pelo layout,citações...

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma irmã que se chama Verônica e a minha assim como a sua Veronika tem um abraço quente, protetor.
    Mas voltando a sua, não sei porque ela tem medo de se apaixonar.

    BeijooO'

    ResponderExcluir
  3. você escreve tão bem, seeempre *-*
    sou um pouco como Verônica, também sinto medo da solidão e dessa ausência de cores.

    ResponderExcluir
  4. Foi você que escreveu esse texto?? =O
    Sinto as vezes vontade de apagar tudo que escrevo, sabendo que ninguém lê. Mas ao menos deixo vagando por esse mundo paralelo chamado internet para ver se alguém para e dá alguma risada... #FilosofeiAgora

    ResponderExcluir
  5. Eu já tive medo de mostrar o que escrevo.
    Hoje escrevo e ponho no blog.
    Foi um passo que dei, depois outro e outro.
    Hoje gosto do que escrevo.
    Aberto, sem definições.
    Discorro o que vem na mente, sem pretensão.
    Não espero elogios, ou até mesmo reconhecimento, apenas faço.
    Acho que não sou bom para os outros, escrevo para mim. Isso basta.
    O seu texto mostra esses medos que temos de se abrir para o mundo.
    Não é bom expor tudo. Mas é bom, também, se expor.
    A vida é para ser vivida, momento a momento.
    Beijos querida.

    Ps. Gosto quando me visita e muito, muito, muito, muito...

    ResponderExcluir
  6. Seus contos são sempre incríveis *-* Eu li todas as partes agora, está muito bom, nossa. Tão intenso, tão bonito sempre aqui. Seu blog é um dos melhores que leio, pode ter certeza.

    Beijos e obrigada pela visita,
    xx

    ResponderExcluir
  7. Dani,
    Voce esta escrevendo cada dia melhor.
    Mandei email.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Querida, é fato que você e suas palavras sempre me encantam ou impressionam. Mas você e Veronika - que eu ainda não tinha lido e precisei acompanhar do começo - conseguiram fazer as duas coisas: estou encantada e impressionada. Incrível.

    ResponderExcluir
  9. que lindo.
    dá um livro.
    Beijoo super :*

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito das três partes e também das outras coisas que escreveste. Muito bonito.

    Tô seguindo. :)

    ResponderExcluir
  11. O reinado de Veronika é desconhecido por todos, e por ela mesma.

    ResponderExcluir