domingo, 16 de maio de 2010

Confissões noturnas.

Me dejaste con el alma confundida y la mirada perdida.

Já não quero essa confusão, essa dor exaustiva sem por quê, essa ausência de alegria sem sentimento, sem um momento pra depois esquecer. Pedir socorro, gritar por ajuda e implorar cada vez mais que o que completa já não existe, o que crê não mais importa. Agora sou apenas uma poesia meio apagada, meio esquecida, deixada de lado. No fundo da gaveta do velho criado-mudo que só serve de suporte para os seus bons cigarros. Seu consolo desde o dia em que, sem uma razão, eu lhe deixei.
Talvez isso tenha ocorrido graças a saudade que eu sinto da minha liberdade, dessa viagem permanente em que eu vivo, sem ninguém, pensando sempre alguém. E sempre o mesmo alguém, sempre. Desde o amanhecer até o último ponto de luz que eu vejo, a última fresta de dor que entra pela porta, encendeia o quarto, navega entre as lembranças, meu doce passado.
Uma pequena narração de uma vida tão esquecida, vivida somente poucas horas por dia, pelo único fato de ter. Ter alguém, o mesmo alguém das últimas e futuras noites. Criando e recriando momentos tão semelhantes. Chorou porque não existia uma razão para sorrir. Não ali, e o que queria não poderia lhe abraçar naquele instante. Instante esse em que precisou, precisou de todo e qualquer amor que não lhe foi dado, precisou até mesmo da dor que lhe foi entregue. E deixou...
Deixou que o tempo passasse um pouco, para que os ventos se acalmassem e seu rosto cansado calasse um pouco os olhos que, descontrolados, buscavam apoio em qualquer objeto amável, e quando enfim encontraram, sorriu sem saudade, crendo na verdade que criou e desde então seria sua companhia nas noites frias e tristes que estavam a lhe esperar.
Encontrou a proteção que buscara, que lhe aqueceria e defenderia de todo e qualquer mal. Percebeu que seus braços imploravam, assim como os olhos, que o toque permanecesse sendo sempre intenso, aquecendo com seu amor, seu calor, sua vida e sua luz. Essa proteção que prometera-lhe a eternidade, tranquilizava-lhe no seu abraço amado, sem ouvir de sua boca uma só palavra, sem saber se o que sentia lhes aproximava, mas acreditando somente que o mundo não seria cruel o suficiente para tirar dos seus braços a sua maior alegria.
Eu voltei, voltei e espero que a mesma liberdade que nos separou um dia não volte a nos perturbar. Eu espero que agora o tempo só exista quando eu lhe ver, quando eu puder lhe amar.

30 comentários:

  1. Nossa, que lindo e... dramático :)

    ResponderExcluir
  2. Quero esse tempo para mim. Para eu poder sorrir qdo me deparar com a razão do meu viver.
    LINDO Texto!

    ResponderExcluir
  3. Podemos controlar nossas atitudes.
    Não podemos mudar nossa natureza "biológica".
    Um escorpião sempre será um escorpião, entende?
    É o jogo da vida.


    Beijos menina linda.

    ResponderExcluir
  4. Experimente tornar a tristeza como aliado a ti, para que possa te tornares mais forte.
    Quando estou fraco ai é que sou forte.


    um beijo minha querida!

    ResponderExcluir
  5. "Deixou que o tempo passasse um pouco, para que os ventos se acalmassem e seu rosto cansado calasse um pouco os olhos que, descontrolados, buscavam apoio em qualquer objeto amável, e quando enfim encontraram, sorriu sem saudade.."

    Muito lindo, Dani!
    Que voltar signifique um bom e próspero recomeço. E que as coisas que deixam saudade sirvam de ânimo para seguir em frente mesmo sem esquecê-las. Ah, a liberdade! Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. "Agora sou apenas uma poesia meio apagada, meio esquecida, deixada de lado."

    adoorei, minha melhor parte! *-*

    Um breve comentario: Otimo, sabe que suas palavras sempre se encaixam nesta mesma que acabo de usar!

    P.s. Minha historia termina amanhã!
    Beijos eu te amo ♥

    ResponderExcluir
  7. aiiin , pra mim sempre ta perfeito
    tu escreve cm a alma
    eu amoo vin ler akii
    ;**

    ResponderExcluir
  8. sempre me emociono com teus textos!
    *-*
    são tão cheios de sentimento...belíssimoooss!

    parabéns.

    ResponderExcluir
  9. "Eu espero que agora o tempo só exista quando eu lhe ver, quando eu puder lhe amar"
    que final lindo Dani!

    bjo ;)

    ResponderExcluir
  10. Ela foi livre, mas não tinha amor, não tinha apóio.
    Agora se aprisionou por amor, e é livre dentro do amor.

    ResponderExcluir
  11. Algumas coisas são relativas,ser livre e sem propósito talvés não seja tão interessante quanto presa no amor.Sem contar que uma polêmica de vez em quando,só pra chacoalhar a sociedade,não faz mal a ninguém,vai?

    ResponderExcluir
  12. Eu também espero que o tempo e a liberdade chegue em sua medida certa. Na medida para trazer a saudade gostosa, que deve ser "morta" logo após sentida, pra não ter tempo de machucar, de grudar na alma e fazer moradia!

    Um beijo, querida!

    ResponderExcluir
  13. bom quando há voltas sem aquele 'passar na cara' do outro;

    ResponderExcluir
  14. eeei Daniela ..
    rsrs .
    é o seguinte: eu o conheço, mas só conversamos meesmo por computador, pois ele mora em niterói e eu sou do interior . e eu só o vejo pois ele é amigo do pessoal da igreja , e ele vem aqui algumas vezes no ano .
    amei o texto ..
    fique com Deus , beeijos ;*

    ResponderExcluir
  15. Tenho que admitir, você realmente possuem mais do que estilo.
    E que esse tempo não demore para chegar.

    BeijooO'

    ResponderExcluir
  16. Grato pelo retorno, teu blog é intenso e eu admiro.

    se quiser me seguir, agradeço também! beijo

    ResponderExcluir
  17. Ás vezes nos pegamos assim, sempre os mesmos pensamentos a qualquer hora, na mesmas dores, no mesmo passado repitivo em nosso presente. Uma hora o apagado se reescreve.
    Liindo, tem selinho pra vs la no blog.
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. ameei tdoo, mas pra mim o final foi maraaa
    ( Eu espero que agora o tempo só exista quando eu lhe ver, quando eu puder lhe amar)


    bjoos amovc

    ResponderExcluir
  19. E os finais, por mais doloridos ou demorados, são sempre felizes. =*

    ResponderExcluir
  20. Seus textos são tão lindos *-*
    esse ficou muitoooo bom, adorei

    bjus =*

    ResponderExcluir
  21. linda! Amei demais, vc como sempre arrasando na escrita. Kisses girl*

    ResponderExcluir
  22. No fim, viramos escravos da liberdade, e logo nos vemos presos novamente.

    ResponderExcluir
  23. Que coisa linda, Dani. Todos precisamos de um novo tempo, de um novo começo. A liberdade só vai te perturbar se você deixar. Não deixe que ela atrapalhe algo tão lindo como o amor.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  24. Seus textos são maravilhosos Dani, sério *-* Eu amo demais vir aqui e ler suas palavras tão lindas. Parabéns por esse talento incrível que você tem.

    xx

    ResponderExcluir
  25. Lindona, te linkei e deixei selinhos no meu blog! http://nasentre-linhas.blogspot.com/p/selos-e-coisinhas.html Bjs, bjs ;*

    ResponderExcluir
  26. Saudades Dani. Não voltei ainda totalmente pra net.Beijos

    ResponderExcluir