sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Não sei nada de tudo o que falei

Vejo, entre folhas e galhos secos um céu infinito e escuro. Vejo os meus sonhos velhos, tudo o que eu fui, tudo o que eu desisti de ser. Não sou a vontade que me cerca, mas posso ser o medo que me atrai. Basta eu mudar um pouco e meus olhos já não são os mesmos, minha vóz já não é igual.
Sou capaz de ser o brilho das estrelas, tudo depende do ângulo em que você olha para mim. Tudo depende da sua vontade, da sua coragem, da sua sede de felicidade. E do seu potêncial em sorrir. Preciso ver se seus olhos brilham como os de um criança ao ver sua mãe se aproximar de braços abertos.
Preciso ver se seu rosto se contrai em um sorriso inocente, preciso disso para fazer-lhe feliz. Preciso de alguém diferente, alguém que não precise de mim, pois não quero precisar de ninguém.
Eu quero olhos fascinantes, como os de quem se permite chorar. E quero antes de tudo, que essa pessoa saiba da frieza de minha alma, para não se ferir depois. Quero que saiba que vivo só por respeirar, e se me perguntar por quê... Direi-lhe que já amei alguém demais, e que por amar tanto vi meu coração despedaçar-se. Direi também dos meus sonhos e do universo de palavras que eu já chorei, que eu já criei, que eu já vivi. E posso falar também, dos fracassos de uma vida inteira, e das vitórias que ainda estão por vir.
Posso falar de um abraço seguro, da Lua fria que eu já visitei dormindo e dos medos de me perder.
Mas não posso falar da felicidade que eu senti, e nem do tamanho do meu amor maltratado. Por que amor é felicidade, e felicidade é amor, mesmo se existir dor... Não posso falar, por que não sei nada de tudo o que falei, e por que dos meus sonhos... Eu acordei!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Sempre me perdi entre o encontro e a despedida.

Acordei assustada, sua voz ecoando na minha cabeça, mas você já não está aqui. Só restou o vazio no lugar do seu abraço, uma lágrima de dor, um aperto de saudade. Vontade de voltar atrás... O frio me faz lembrar você,  pois eram seus braços que me aqueciam, e se a angústia existe, ela está aqui, junto ao medo de não vencer, mas vencerei, sou a pessoa mais forte que já conheci.
Não posso lamentar o amor inventado, não posso deixar de viver. Hoje, mais do que nunca, preciso sorrir, e mostrar à mim mesma de que sou capaz de reerguer-me, mesmo se o céu cair sobre meus ombros. Vou me levantar sempre, pois a pior dor é a de não ter esperanças...
Quero algo pra lembrar, e quero algo que me faça esquecer. Por que tenho medo do que permanece. Tenho medo do que me faz pensar, pois não sei a reação que vem a seguir. Não sei o tamanho da dor que invade, não sei nada sobre perder algo tão raro. Não sei por que nunca tive, e por não ter não perdi.
Agora eu quero lavar meu rosto e tirar todas essas marcas de solidão que em mim permaneceram. Não sei por quanto tempo dormi, sei somente que há pouco acordei, e os sonhos sempre parecem melhores que a realidade... Sempre me perdi entre o encontro e a despedida.
Sempre me perdi dentro dos olhos escuros que insistem em me olhar, no sorriso que insiste em me acompanhar. E se eu sentir que não posso me abandonar, estarei feliz por saber que parte de mim é você, e assim, você sempre estará comigo. Mesmo depois da despedida.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Mil promessas.

Se a pressa dos meus passos não me acompanhassem tão calorosamente eu me permitiria parar pra fotografar o céu, olhar nos olhos de um estranho qualquer e sorrir para lhe transmitir a alegria que guardo em mim. Olhar o horizonte com a ternura de quem se apaixona todos os dias pela mesma pessoa, e permitir que a solidão venha pra lhe provar que já não sou tão vulnerável assim. Pra lhe mosrtar que já sei andar com minhas próprias pernas, já sei sorrir sem motivo, já sei brincar de esquecer e que sou capaz de amar - e de ser amável.
Posso fazer-lhe mil promessas, chorar mil motivos, contar mil histórias. Mas não seria eu, pois penso que promessas são feitas para serem quebradas - mesmo detestando quando isso acontece.
Hoje sorrio como uma criança, pois leio palavras de uma criança que se faz feliz por existir. Dos meus sonhos guardei muitos, os carrego comigo aonde quer que eu vá, por que sei o tamanho da tristeza que sente um coração que não sonha por medo. Um coração que só bate por pensamento, pelo simples fato de bater.
Desconheço o tamanho do mundo, nem sequer sei quantas estrelas podem existir, sei somente que a cada amanhecer vejo renascer - junto ao Sol - uma nova quantidade de azul, um novo céu pra se viver. Aprendi - entre percas e ganhos - que a vida é curta, que só sonhar não basta, os sonhos precisam ser realizados. Aprendi que o que importa é o presente, por mais doloroso que seja pensar em um futuro solitário.
Aprendi que tudo o que eu sei, a vida me ensinou, e que a felicidade só é valorizada depois de uma fase de sofrimento. Olhei pro horizonte, e me aconcheguei nos braços do amor de quem me ama.

sábado, 14 de novembro de 2009

Por toda a eternidade...

Me perdi em textos de olhar o horizonte, frases que vi nas estrelas, sonhos que perdi no escuro. Em um mundo que parou de girar e mudou de foco, que mudou de plano. Sorri por engano quando eu quis chorar.
Senti sob meus dedos lentos o som nascendo. Em meus movimentos brevemente observados, em meus sonhos esquecidos a cada despertar. Vi que esqueci das minhas flores, mas vi que elas permaneceram vivas. Pois mesmo estando em meu esquecimento, estão comigo. Pois mesmo sabendo da falta de proteção, aguardam o meu retorno.
Eu falo das palavras que contenho, que não ouso falar. Falo dos sentimentos que perco, do sentimento que cresce e da dúvida que atrai. Falo das músicas que ouço, dos versos que leio... Penso que só de pensar em mim já penso em ti, e o que vem depois disso eu nunca sei explicar.
Tenho em mente a sombra de um abraço que me faz tão bem quanto o ar, um sentimento que não cabe no peito, uma explosão de verdade. Como se fosse tudo e nada, e como se acabasse logo depois de começar.
Como se não tivesse fim, se eu soubesse ao menos quando começou... Mas isso não importa, já sei o que quero e do que preciso. Já sei o quanto posso esperar e até onde me limito a ir. Sei que de me esqueci de voltar pra casa, me perdi no caminho, esqueci por quantas ruas passaria, quantos passos eu daria...
Esqueci que a saudade machucava e que a dor era insuportável. Esqueci de tudo pra pensar somente no presente, que me faz feliz hoje, por toda a eternidade!

sábado, 7 de novembro de 2009

No seu amor, no nosso amor!

Como sussurros do vento, ouço sua voz me acordar, seus olhos encontram os meus e um sorriso cresce em seus lábios e sem perceber, me vejo sorrindo também.
Logo caio em seus braços, sinto uma alegria imensa, por conta da felicidade que você me trás, logo me vejo sonhar. Os atos se perdem entre o começo e o fim do momento que não podia nunca acabar.
Não sei como eu pude suportar tanto tempo sem seu olhar, pra me encontrar, pra me acalmar, pra me calar. Não sei como pude suportar tanto tempo sem suas mãos pra me segurar, pra me tocar, pra me entender. Não sei como eu pude suportar tanto tempo sem os seus lábios pra me sorrir, pra me falar, pra me beijar. Não sei como pude suportar tanto...
Porque da ação à conseqüência eu já perdi toda a noção. Então eu sinto você que me acalma, que passa a mão pelos meus cabelos, dizendo que em mim é o seu lugar, que não pode me deixar partir, porque sua paz só existe ao meu lado.
Vejo-lhe chorar, vejo-me chorar. Seco suas lagrimas e finjo ser forte pra lhe passar segurança, finjo ser fraca pra lhe ver me proteger. Digo que te amo, depois de te ouvir falar, que o pra sempre deve nos acompanhar... que os dias serão grandes e as noites aquecidas, no seu amor, no nosso amor.
Porque eu não quero ver isso acabar jamais. 

domingo, 1 de novembro de 2009

Eu falo dos olhos, falo das vozes...

Eu preciso lhe falar, que cai na profundidade de seus olhos e que não preciso mais me salvar, porque fiz do teu sorriso meu porto seguro e do teu abraço meu abrigo. Me diz o que sonho, me diz o que eu espero. Porque na escuridão dos seus olhos encontrei a luz que me procurava, e na força do seu abraço entendi porque cada minuto vivi, porque cada caminho trilhei. Parece que tudo o que eu passei, enfrentei pra um dia encontrar você.
Como tatuagem na pele, meus labios querem os teus, como estrelas no céu, meus olhos não são nada sem teu brilho. Eu te quero mais perto impossivel, como a terra seca quer a chuva. Sou a metade da cor do meu mundo, e a outra metade é você. Sou o sentimento que devasta todos seus pensamentos, e sou quem faz você se perder. Sou sua saudade que te faz chorar e sou a sua felicidade de me ver chegar. Sou nota de música e a maneira como ela te fascina.
Os meus olhos imploravam e os seus pareciam rir, e pareciam querer chorar. As palavras saiam, e eu me perdi no encanto do momento, chorando de alegria. Então um abraço, e como não sou de pedra, sempre te deixo vencer...



Foi pensando só em mim que eu pensei só em você...