terça-feira, 6 de dezembro de 2016

6 de dezembro de 2016: o dia em que finalizei minha trajetória como acadêmica de Psicologia. Como observado pela minha orientadora, iniciei e encerrei essa caminhada na mesma sala... Cinco anos se passaram desde o início, cinco anos de aprendizagem e fortes emoções. Cinco anos para chegar ao dia de hoje e sentir que cumpri o meu dever, que dei o meu melhor e que isso é muito bom... É com muito orgulho que me lembro das palavras ditas na banca... Palavras que se misturam na lembrança em meio a emoção tão forte de ter o meu trabalho de 25 páginas lido tão sensivelmente por quem foi designado a me avaliar, além do meu esforço, compromisso e dedicação. O que fica é a emoção. Me emociona o fim de dessa fase com a qual muito sonhei, e também me emociona aquilo que está por vir... E o que será? Não sei. Ninguém sabe. E o que sou agora? Não sei, hei de me transformar nesse momento de términos e inícios, e então direi: sou psicóloga, sou pessoa, sou palhaço. E serei tudo o que eu me propor a ser...
Agradeço carinhosamente aqueles que estiveram comigo desde o início, àqueles que encontrei pelo caminho e se tornaram eternos, àqueles que sempre fizeram parte de mim. Minha família, meus amigos, meu companheiro. Agradeço pelos seus esforços, paciência e confiança. Considero-me uma pessoa extremamente privilegiada por ter vocês.
Agradeço à sensibilidade da banca que avaliou, compreendeu e acolheu o meu trabalho (e a mim) desde a essência. Isso foi muito singular. Vocês são excelentes!
Um agradecimento especial à minha orientadora e às amigas que viveram tudo isso junto comigo. Jamais poderei expressar o quanto vocês foram (e são!!) importantes.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Privilégio

"(...) E que eu possa ao final ser agradecido pelo privilégio de
ter vivido para ajudar as pessoas a serem mais felizes.
O privilégio de tantas vezes ter sido único na vida de alguém que 
não tinha com quem contar para dividir sua solidão, 
sua angústia, seus desejos.
Alguém que sonhava ser mais feliz, e pôde comigo descobrir
que isso só começa quando a gente consegue 
realmente se conhecer e se aceitar."

Walmir Monteiro


Assim como cada dia de prática ao longo deste ano de estágios, a última semana está sendo muito intensa, saboreada com um gostinho de saudade, angústia e expectativa.
Neste ano, vi pessoas abrirem seus corações calejados, encararem seus medos mais profundos, jogando-se à busca de si mesmas, de sua felicidade... Privilégio! Não há palavra que descreva melhor o que sinto, é um verdadeiro privilégio saber que, mesmo que minimamente, pude, como psicóloga, facilitar a vivência de alguém, facilitar a descoberta do que é mais bonito dentro de cada um de nós...
Hoje não quero escrever bonito, quero apenas registrar meu amor por essa experiência, minha admiração pelas pessoas que encontrei, pela sua força, pela sua coragem.
O ser humano é, apesar de tudo, encantador.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Antecipando saudades (outra vez)

Moça, sinto um nó na garganta cada vez que penso na tua partida, mas me dói o peito quando sei que você vai ficar. Porque você precisa, urgentemente, ser feliz... E não sou egoísta, mesmo que quisesse sê-lo, mesmo que chore quando penso... Quero que você seja feliz. Quero que seja livre. E isso significa ver os quilômetros aumentando novamente, algo que não pensei que teria de enfrentar outra vez. Se tudo der certo, centenas de quilômetros crescerão entre nós.
Mas me dói. Me dói não ter tua companhia constante, tua presença. Pode ser que demore, mas sei que vai acontecer, e quando acontecer vou sentir sua falta como se tivessem me roubado uma hora de cada dia. Vou olhar pros lugares e pensar em você. As músicas me lembrarão você, e também o silêncio...
Já sei quanto demora para me acostumar com a ausência, o tempo que leva para as lembranças se tornarem menos dolorosas. E no fim, sei que vou ficar bem. Mais uma saudade guardada no peito, mais um sorriso quando me lembrar de nós duas.

domingo, 20 de novembro de 2016

Palavras soltas em um dia qualquer

Gosto de tudo o que me faz sentir minha alma vibrando dentro de mim...
Gosto de emoções, mesmo que às vezes a angústia me invada e doa sentir.
Gosto dos sorrisos que provoco, quando sou palhaça.
Gosto das lágrimas que permito, quando sou psicóloga.
Gosto da sensação de imaginar cenas quando leio... Gosto de cada personagem com suas personalidades tão fiéis à realidade.
Gosto de pessoas da vida real, e admiro-as em suas lutas.
Gosto da sensibilidade exacerbada que, outrora, eu não entendia. E sou sensibilidade pura. Da cabeça aos pés. Do início ao fim. Pura.
Gosto de sentir o vento, a água, o sol.
Gosto de olhar o céu, as flores, o nada.
Gosto de pensar no impossível, de sonhar utopias...
Gosto de doce, gosto de salgado.
Gosto de simplicidade.
Dispenso holofotes, dispenso maquiagens. Não quero parecer ser o que não sou.
Gosto do que é verdadeiro, honesto...
Gosto de pessoas gentis, mas amo a empatia.
Amo quem consegue pensar no outro apesar das crueldades que o outro lhe infligiu. Amo e admiro.
Gosto de horas vagas (mas não vazias) em que posso fazer aquilo que eu quiser.
Gosto também das horas marcadas, aquelas em que ao mesmo tempo sei e não sei o que esperar.
Gosto de pontualidade, mas estou quase me permitindo atrasar (um dia eu chego lá).
Já me permito o erro, a imperfeição, mas ainda não alcancei atrasos.
Ser flexível. Ser compreensiva. Ser congruente. Ser ridícula. Esquecer meus medos.
Caminhos a percorrer, objetivos a conquistar. Ao mesmo tempo em que caminho, conquisto, e reconquisto, e continuo a caminhar. Sempre. Não quero o inacabado, nem o pronto. Quero o movimento, a mudança.
Sou uma mistura, uma metamorfose. Sou instável, flexível e amo tudo o que me acompanha, apesar dos pesares.